Venezuela: Oposição apela para “rebeldia” para alcançar “segunda independência”

Lusa

A oposição apelou hoje para que os venezuelanos se mantenham "em rebeldia” contra o governo do Presidente Nicolás Maduro, para alcançarem a “segunda independência” da Venezuela.

“O caminho da rebeldia contra a tirania é nosso dever constitucional”, disse o fundador do partido opositor Vontade Popular.

Refugiado na Embaixada de Espanha na Venezuela, Leopoldo López interveio na ação “Congresso de Unidade Nacional” que assinalou o 209.º aniversário da assinatura da Ata da Independência da Venezuela em 5 de julho de 1811.

“Temos 20 anos de uma ditadura que nos oprime, uma emergência humanitária complexa, com mais de 5,5 milhões de (e)migrantes. O desafio é ainda maior”, disse.

O líder da oposição Juan Guaidó, que até janeiro fez parte do Vontade Popular, instou os venezuelanos a não participarem “em falsas eleições”, em alusão às legislativas previstas para 6 de dezembro.

“Apelo a todos os setores para que não participem nas falsas eleições. Revelar-nos hoje, é um dever, não apenas um direito. Ninguém nos dará nada. Os direitos não se mendigam, exigem-se e defendem-se. Chamo-vos (venezuelanos) a não ter medo, a estar juntos, unidos e mobilizados”, disse durante a sua intervenção no encerramento do Congresso de Unidade Nacional.

Segundo Guaidó o Palácio Federal Legislativo, onde funciona o parlamento, está “sequestrado pelo regime desde janeiro último, mas a oposição está decidida a ser livre".

“Revelar-nos é um dever, devemos fazer uso do poder internacional até onde for possível (…) devemos construir um Governo de Emergência Nacional que nos permita sair da crise, recuperar a nossa independência”, disse.

Segundo o opositor a luta da oposição tem dado frutos e o plano é “fazer a vida impossível à ditadura”.