Covid-19: Meia centena de tripulantes de porta-aviões francês infetados

Lusa

Cinquenta membros da tripulação do porta-aviões francês “Charles de Gaulle” estão infetados com a covid-19, anunciou hoje o Ministério da Marinha francês, precisando que três marinheiros foram retirados do navio “por precaução”.

“Os resultados dos 66 testes realizados concluíram a presença de 50 casos da covid-19 a bordo do ‘Charles de Gaulle’”, afirma o ministério num comunicado, citado pela agência de notícias francesa (AFP).

A confirmação surgiu dois dias depois da divulgação da existência de casos suspeitos a bordo, situação que levou ao anúncio de que o porta-aviões nuclear, que se encontrava no Atlântico, iria regressar a França.

Segundo a nota, não ocorreu, até ao momento, qualquer situação de agravamento do estado de saúde dos marinheiros a bordo.

Desconhece-se ainda a origem da contaminação, salientando a AFP que não houve contacto com nenhum elemento exterior ao navio depois de 15 de março.

O Ministério da Marinha afirma que está empenhado em identificar o circuito de contaminação e permitir todos os procedimentos que limitem a propagação do vírus.

Uma equipa do Serviço de Saúde da Marinha, integrando dois epidemiologistas, um perito em biossegurança e um médico, encontra-se a bordo desde quarta-feira.

Os marinheiros retirados do navio foram internados no hospital militar Saint-Anne, em Toulon, para “preservar a capacidade médica” no navio, sendo que foi generalizado o uso de máscara a toda a tripulação, afirma o comunicado.

O “Charles de Gaulle” é o segundo porta-aviões oficialmente contaminado com a covid-19, depois do norte-americano “Theodore Roosevelt”.