Venezuela: Rússia considera plano apresentado por EUA como uma zombaria

Lusa

A Rússia considera que a proposta dos Estados Unidos para resolver a crise na Venezuela, que prevê a realização de novas eleições, parece “ser um zombaria”, disse hoje a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia.

“Washington anunciou, como se estivesse a troçar, um plano para solucionar a situação da Venezuela, que implica a constituição de uma espécie de governo de transição”, afastando os dois principais atores e opositores políticos, afirmou Maria Zajárova, numa videoconferência de imprensa, hoje realizada.

Quando “em todo o mundo se adia todas as atividades políticas e sociais importantes, [os Estados Unidos] propõem elaborar um calendário de eleições nacionais na Venezuela, com ênfase especial na eleição do Presidente do país”, criticou.

Os Estados Unidos propuseram, na terça-feira, um novo plano para pressionar a “transição” da Venezuela para uma democracia e consequente retirada das atuais sanções económicas, recomendando a criação de um “governo de transição” com representantes do atual Presidente eleito do país, Nicolás Maduro, e do líder da oposição, Juan Guaidó, e a celebração de “eleições livres e justas”.

O plano propõe que tanto Maduro como Guaidó se afastem, para que os membros eleitos na Assembleia Nacional de ambos os lados possam criar “um Conselho de Estado que sirva como governo de transição, para organizar eleições presidenciais livres e justas”, escreveu Elliott Abrams, chefe do Departamento de Estado norte-americano para a Venezuela, num artigo The Wall Street Journal.

“Se estas condições forem atendidas”, o executivo do Presidente dos EUA, Donald Trump, está “preparado para levantar as sanções económicas" impostas a Caracas, acrescentou.

Segundo a diplomata russa, Moscovo "considera que é preciso pensar, em primeiro lugar, no povo da Venezuela e em como ajudar o país a sair da catástrofe humanitária” em que vive.

Zajárova acrescentou ainda que “há grupos políticos” numa série de países que “estão a tentar tirar proveito da situação difícil em que o mundo está atualmente e, em particular, da situação epidemiológica da Venezuela para alcançar os seus objetivos políticos”.

Segundo o diplomata, algumas forças políticas do Ocidente não descartam a ideia de um golpe de Estado para derrubar Maduro.

“Rejeitamos o bloqueio de ajudas do Fundo Monetário Internacional a Caracas e condenamos a emissão nos Estados Unidos da ordem de busca e captura do chefe de Estado soberano com base numa falsa acusação de tráfico de drogas”, concluiu.