Polícia brasileira confirma terceira morte por síndrome misteriosa

Lusa

A polícia brasileira confirmou hoje a terceira morte devido à síndrome nefroneural, uma doença misteriosa que pode ter sido provocada por um componente tóxico em produtos vendidos pela cervejaria Backer.

Segundo a polícia civil de Minas Gerais, a terceira vítima foi um homem de 89 anos, morador de Belo Horizonte, capital do estado.

Na quarta-feira, as autoridades confirmaram uma outra vítima fatal, um homem que não foi identificado. A primeira vítima confirmada da síndrome nefroneural foi Paschoal Dermatini Filho, de 55 anos.

Encontra-se ainda em investigação a morte de uma mulher com sintomas idênticos aos da síndrome, que ocorreu na cidade de Pompeu, em Minas Gerais, no final do ano passado.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) do Brasil informou que a água utilizada pela empresa Backer na produção de cervejas estava contaminada com uma substância tóxica, que poderá ser responsável pela morte de duas pessoas.

"Análises realizadas pelo MAPA constataram a contaminação da água utilizada pela Backer na fabricação de suas cervejas", afirmou a pasta da Agricultura, acrescentando que a contaminação aconteceu nas dependências da empresa.

Face à suspeita de que a "contaminação por dietilenoglicol e monoetilenoglicol é sistémica", ou seja, está presente no processo de fabricação da Backer, o ministério determinou a recolha de todos os produtos da cervejeira e a suspensão da fabricação, "pois outras marcas podem estar também contaminadas”.

Na semana passada, a polícia revelou que investiga a relação entre internamentos e mortes misteriosas em Minas Gerais com o consumo da cerveja Belorizontina, da Backer.

Pelo menos 10 pessoas que procuraram hospitais em Minas Gerais apresentaram sintomas de contaminação.