Concorrente do 'Big Brother' espanhol foi violada durante o programa e assistiu ao vídeo da agressão

Têm sido inúmeros os casos de violência sexual contra mulheres sem possibilidade de defesa em Espanha. A história de Carlota Prado, natural de Málaga, está a gerar polémica naquele país, criando ainda maior frustração relativamente às penalizações por agressões sexuais.

De acordo com o Notícias ao Minuto, o caso remonta a 2017, mas os seus contornos só se tornaram conhecidos publicamente quase dois anos depois, quando o diário El Confidencial teve acesso às filmagens do incidente e da forma como a produção do 'reality show' lidou com o mesmo.

Carlota Prado e José María López faziam parte da 18.ª edição daquele programa em Espanha, transmitido pela Telecinco, e tinham iniciado uma relação amorosa na casa. No dia 3 de novembro de 2017, a produção organizou uma festa para os concorrentes, na qual disponibilizou álcool. No dia seguinte, dia 4, através das redes sociais, o público foi informado de que tinha havido uma saída da casa e uma expulsão, refere a mesma fonte.

"A direção do 'Big Brother' decidiu expulsar José María do programa por uma conduta que considera intolerável. Da mesma forma, considera oportuno que Carlota deixe a casa", dizia o comunicado, citado pelo Notícias ao Minuto.

Uns dias mais tarde, veio a público a informação de que tinha sido acionada a Guardia Civil, mas mais nenhum detalhe, até ter sido a própria Carlota, de 26 anos, a romper o silêncio sobre o caso, no passado mês de agosto.

A alegada violação terá ocorrido na madrugada de 4 de novembro. Segundo o relatado pela vítima em tribunal, e depois em entrevista ao El Confidencial, esta estaria demasiado alcoolizada, por ter comido pouco, e foi levada para a cama por José María. O concorrente introduziu-se na cama com Carlota, que estava vestida, e cobriu-se com a roupa de cama. Conforme foi visualizado no vídeo captado pelas câmaras do programa, José María tirou as calças e as cuecas a Carlota, enquanto se movia junto do corpo desta.

Carlota Prado pouco se mexia, tendo apenas dito "não posso" e colocado a mão à frente de José María, de acordo com o relato do El Mundo, que teve acesso ao relatório judicial. O homem, porém, continuou a fazer o que o juiz descreveu como "possíveis penetrações" enquanto Carlota parecia não reagir. No vídeo percebe-se que Carlota diz "tira", o que poderá provar que a jovem estava a ser penetrada contra sua vontade.

O incidente foi, depois, interrompido pela 'voz', que pediu para os dois irem ao confessionário. Carlota enrolou-se numa manta, mas precisou de ajuda de José para se levantar, tendo vomitado pouco depois.

No dia seguinte, porém, em imagens que não foram transmitidas pela estação de televisão, Carlota Prado foi chamada ao confessionário do programa e foram-lhe mostradas as imagens da noite anterior. Sem memória do incidente, Carlota foi forçada a ver o alegado abuso sexual, tendo as câmaras continuado a filmar a sua reação, embora não tivesse sido transmitida.

Adianta o Notícias ao Minuto, citando os meios espanhóis, que Carlota ficou muito alterada e pediu para que as imagens parassem de correr e que lhe trouxessem alguma coisa para a acalmar. Foi pedido a Carlota para não dizer nada aos outros concorrentes, numa decisão que espoletou muitas críticas à produção e à estação de televisão.

A Telecinco já pediu desculpas pelo incidente e pela forma como foi tratado, mas ainda assim todos os maiores contratos publicitários retiraram os seus apoios ao programa.

José María López pode ser acusado de agressão sexual, uma vez que, de acordo com a lei espanhola, só existe violação se esta for cometida com recurso a violência física, o que não aconteceu. As conclusões da investigação foram entregues ao Ministério Público espanhol, que determinará se será ou não formalizada uma acusação contra o concorrente.