KLM produz ferramentas a partir de garrafas PET

A KLM Royal Dutch Airlines é a primeira companhia aérea do mundo a reciclar garrafas PET para produzir ferramentas de reparação e manutenção das suas aeronaves.

No processo, as garrafas vazias são recolhidas no final de cada voo e transformadas em filamento, o material usado nas impressoras 3D. Esse processo significa que uma garrafa de água vazia pode acabar como parte de um equipamento impresso em 3D, poupando tempo e dinheiro à Engineering & Maintenance (E&M).

Da mesma maneira que as impressoras normais utilizam tinta, as impressoras 3D utilizam filamento. A KLM costumava comprar esse material a fornecedores externos. Mas, agora, as garrafas PET vazias dos seus voos são entregues a uma empresa de reciclagem, que as converte em grânulos de plástico de alta qualidade, o principal material do filamento. As toneladas de garrafas de plástico que são retiradas todos os anos dos aviões no aeroporto Schiphol de Amesterdão são, assim, transformadas nesse filamento.

De acordo com uma nota de imprensa enviada ao JM, a KLM visa reduzir o volume de seus resíduos em 50% em 2030, face aos níveis de 2011. Esse objetivo vai ser alcançado produzindo menos resíduos globalmente e aumentando a quantidade que pode ser reciclada. Em 2018, a KLM reduziu os resíduos em 9%, sendo 28% do restante reciclado.

“Estamos continuamente a investir em produtos e processos sustentáveis e inovadores. Para os nossos clientes, para a sociedade e para os nossos próprios funcionários. É fantástico ver como somos capazes de produzir produtos úteis a partir de resíduos”, afirmou Ton Dortmans, vice-presidente Executivo de Engineering & Maintenance.