Tatuador satânico esquartejou adolescente de 18 anos e despejou partes do corpo no lixo

Sangue em várias divisões dos dois pisos da casa, restos humanos cozinhados, outros espalhados pela habitação. Posters de filmes de terror e artefactos de bruxaria e rituais satânicos. Foi este o cenário com que se depararam os polícias que entraram na casa do "tatuador carniceiro", de acordo com o JN.

Um homem colombiano, de 26 anos, foi detido por matar e esquartejar uma jovem de 18 anos, na casa que ocupava ilegalmente há cinco anos, em Madrid, Espanha.

O alegado homicida espalhou restos mortais da vítima pelos contentores nas imediações da casa, mas a polícia continua a procurar partes do corpo da vítima.

Alertada pela ex-namorada do suspeito, que acabou por ser detida por suspeita de cumplicidade, a polícia entrou na casa de Leonardo V. e encontrou um cenário absolutamente macabro. Havia sangue em várias divisões dos dois andares da casa e restos mortais espalhados em vários locais. Na cozinha, os agentes encontraram membros humanos esquartejados e cozinhados.

Leonardo V. proclamava-se, no Facebook, como "o carniceiro tatuador", identificando-se com uma foto do palhaço assassino do filme de terror "It". Na casa, os polícias encontraram imagens de Hannibal Lecter, a personagem canibal do filme "O Silêncio dos Inocentes", de 1991. Catanas, facas e artefactos satânicos e de bruxaria completaram o cenário desta casa de horrores.

"O material macabro e cruel encontrado na casa retratava o perfil psicopata do detido: sanguinário, desumano e sem alma", escreve a reportagem do jornal espanhol "El Mundo", que foi a Valdemoro tentar perceber como e onde vivia o "tatuador carniceiro".

Na rua, um dos contentores do lixo está selado pela polícia, por ser um dos locais onde foram encontrados restos mortais. Nos últimos dias, os agentes procuraram partes da vítima nas papeleiras, caixotes do lixo, sarjetas, sendo que equacionam a hipótese de escrutinar o lixo que já foi levado para o aterro.

A vítima, uma jovem de 18 anos, era visita frequente da casa de Leonardo. Do pouco que se sabe, estudou no colégio da Guardia Civil e vivia numa zona perto. Segundo o jornal "El Confidencial", citado pelo JN, chamava-se Emilce.

Os investigadores averiguam se havia alguma relação sentimental entre a vítima e o agressor, como alegam alguns amigos deste. Estão a revistar a casa, escrutinar o telefone do assassino a tentar perceber o móbil do crime.

Leonardo foi detido na passada quarta-feira, em casa, sem oferecer resistência. Apático, parecia distante e sem consciência do que se estava a passar. Pessoas próximas dizem que sofria de esquizofrenia, mas que não tomava a medicação.

A ex-namorada, que denunciou o caso à polícia, foi também detida, por ter ajudado Leonardo a livrar-se do cadáver. Segundo a investigação, Leonardo telefonou à mulher, uma espanhola identificada como Celia, a pedir ajuda, após o crime.

Ao entrar na casa, Celia encontrou Leonardo a esquartejar o corpo da vítima. Tirou fotos com o telemóvel e depois terá ajudado o ex-namorado a livrar-se de partes do corpo. Arrependeu-se e dirigiu-se à esquadra da Guarida Civil de Valdemoro. Mostrou as fotos aos agentes, que se deslocaram de imediato à casa de Leonardo, uma moradia tomada pelo banco a uma mulher incapaz de a pagar, após a separação, há cinco anos.

Na casa, penhorada desde 2014, Leonardo fez instalações ilegais de água e luz e estabeleceu um salão de tatuagens, com o qual ganharia a vida. Alguns vizinhos suspeitam que também estaria ligado ao tráfico de droga. "Paravam muitos carros à porta. Ficavam um minuto ou dois e depois arrancavam", denunciaram à reportagem do "El Mundo".

Leonardo, cliente diário de um ginásio local, era de poucas falas, de acordo com os testemunhos dos vizinhos, tendo por hábito passear o seu cão de forma discreta e sem dirigir a palavra a ninguém, revela a mesma fonte.