Insólito: mulher perde guarda da filha por ser demasiado ocidental

Na Arábia Saudita, uma norte-americana de 32 anos perdeu a guarda da filha, de quatro anos, após um juiz ter decidido que era “muito ocidental” para cuidar da criança.

“É nova no islamismo, estrangeira neste país e continua a abraçar os costumes e tradições do seu país”, disse o juiz sobre a professora de ioga que em 2011 foi viver para a Arábia Saudita, ao ser contratada para dar aulas numa universidade do país.

Mas o discurso não se ficou por aí. “Devemos evitar expor (a criança) a esses costumes e tradições (ocidentais), especialmente nesta idade precoce”, refere a CNN, citada pelo site Notícias ao Minuto.

Bethany divorciou-se recentemente do seu marido saudita que utilizou as publicações feitas pela ex-mulher nas redes sociais para dar provas ao juiz da “forma ocidental” como esta vive. Entre as provas da acusação, estava uma viagem de Bethany a um festival de música, nos EUA, descrito perante a justiça como “o festival mais estranho do mundo”, onde os participantes aparecem em roupas malucas e ficam acordados a noite toda apenas para beber álcool e consumir drogas”. Utilizado em tribunal foi também o facto de a norte-americana estar registada em redes sociais “cheias de nudez e que misturam os dois sexos”.

Apesar de Bethany ter alegado que o seu ex-marido era um pai verbalmente violento e consumidor de drogas, o juiz deu a guarda ao saudita.

A mulher, que tem um mestrado e doutoramento em estudos islâmicos, interpôs um recurso para ficar com a guarda da filha, mas há um ano que o caso permanece em tribunal.

À CNN, Bethany diz que a menina Zaina está em pânico, só chora, não dorme e urina na cama sempre que anoitece.