Publicados os nomes de 4.427 espanhóis mortos nos campos de concentração na Áustria

Lusa

O Boletim Oficial do Estado espanhol publicou hoje a lista dos 4.427 espanhóis mortos nos campos de concentração nazi de Mauthausen e de Gusen, na Áustria, para permitir aos seus familiares registá-los como falecidos.

Num comunicado, o Ministério da Justiça indicou que a publicação, decidida pela juíza responsável pelo Registo Civil Central espanhol, cumpre com uma das iniciativas da lei da memória histórica para a indemnização das vítimas do nazismo.

Os familiares e as partes interessadas terão a possibilidade de apresentar alegações e solicitar correções no prazo de um mês.

Deste modo, serão incluídos no registo de mortos, estatuto que ainda não tinham.

A lista dos 4.427 espanhóis anotada na Direção-Geral dos Registos e do Notariado foi comparada com outras bases de dados.

Segundo o Governo espanhol, pretende-se assim agradecer e indemnizar os mais de dez mil espanhóis que foram deportados em campos de concentração nazis após a Guerra Civil espanhola (1936-1939), mais de metade dos quais morreu.

Estavam "privados da sua nacionalidade espanhola por decisão do Governo de Franco, declarados apátridas", salientou o Ministério da Justiça.

A ministra da Justiça em funções, Dolores Delgado, considerou hoje um "dever de memória e justiça" a publicação da lista.

Esta medida, que segundo a ministra chega tarde, "pretende homenagear a memória de um coletivo que defendia valores democráticos contra o totalitarismo".

Delgado refere ainda que a intenção do Governo é "continuar a trabalhar no registo, incluindo vítimas espanholas de outros campos [de concentração]".

A lista, corroborada por uma equipa de investigação da Universidade Complutense de Madrid, a associação Amical de Mauthausen e outras vítimas, dá origem à folha de pagamento de pessoas mortas nos campos da Áustria, as quais o Governo franquista "ignorou", segundo Delgado.

"Como ministra da Justiça é uma honra promover esta iniciativa que constitui mais um passo para cumprir um dos objetivos: o retorno da cidadania aos nossos compatriotas vítimas do nazismo", escreveu Dolores Delgado na sua conta da rede social Twitter.

Em abril, o Conselho de Ministros concordou em estabelecer o 05 de maio como o dia de homenagem às vítimas espanholas nos campos de concentração.