Fundador da maior rede de cafés na Índia encontrado morto na margem de um rio

As autoridades indianas encontraram hoje o corpo de V.G. Siddhartha, fundador da maior rede de cafés da Índia (Café Coffee Day), na margem de um rio no sul da Índia.

Um pescador encontrou hoje de manhã o corpo do empresário, que estava desaparecido desde a tarde de segunda-feira, na margem do rio Nethravathi, em Mangaluru, uma cidade portuária no estado de Karnataka, segundo declarações do porta-voz da polícia local, que pediu anonimato, à agência de notícias espanhola EFE.

"O corpo foi identificado e uma autópsia está a ser realizada", acrescentou a fonte.

Siddhartha havia enviado uma carta aos seus funcionários e ao conselho de administração na segunda-feira explicando a "tremenda pressão" a que estava a ser submetido pelas autoridades fiscais indianas, de acordo com o texto divulgado nos media locais.

No mesmo dia, ao se aproximar de uma ponte sobre o rio Nethravathi, Siddhartha pediu ao seu motorista que o deixasse no local, porque queria dar um passeio.

O motorista, após estacionar o carro, voltou ao local e não voltou a ver o empresário, tendo posteriormente ido à polícia para participar o desaparecimento do patrão, o que levou as autoridades a admitir a hipótese de suicídio.

A notícia da morte do magnata da Coffee Day Enterprises - com negócios também em empresas de tecnologia e logística - desencadeou pelo segundo dia consecutivo a queda das ações da companhia na Bolsa de Valores de Bombaim (BSE), com uma perda ao meio-dia de 19,99%.

O empresário abriu o seu primeiro Café Coffee Day em 1996 na cidade de Bangalore, um oásis para entusiastas do café num país dominado pelo gosto do chá, e agora, mais de duas décadas depois, a empresa é líder nacional no setor, com 1.722 estabelecimentos em 245 cidades indianas.

Os CCD, como são popularmente conhecidos estes cafés na Índia, tornaram-se um ponto de encontro comum para empresários e jovens, que encontraram nesses estabelecimentos um lugar barato e tranquilo para se reunir.