UNICEF ajudou crianças com mais de 3 mil milhões de euros em 2018

Lusa

A UNICEF anunciou hoje que no ano passado gastou 3 mil milhões de euros em bens e serviços para melhorar as condições de vida de crianças em 150 países.

O fundo das Nações Unidas para a infância distribuiu 2,36 mil milhões de doses de vacinas para combater diversas doenças como o sarampo, o tétano, a difteria e o vírus do papiloma humano, tendo conseguido vacinar “quase metade das crianças do mundo”, lê-se num comunicado divulgado pela UNICEF Portugal.

Mais de 47 mil toneladas de alimentos terapêuticos para crianças subnutridas foram distribuídas e 1,26 mil milhões de comprimidos de purificação de água e saquetas de cloração permitiram o acesso a água potável.

Foram distribuídas 13 milhões de redes mosquiteiras para proteger as crianças de doenças transmitidas por mosquitos e mais de quatro milhões de mochilas escolares e 84 mil ‘kits’ de educação para dar às crianças a possibilidade de voltar à escola.

A UNICEF informou também que está a atuar “em países afetados por situações de emergência e conflitos”.

Na Síria, a organização está a trabalhar com empresas locais para que continuem a ser fornecidos ‘kits’ de higiene e educação e roupas quentes “de forma rápida”.

Já na Nigéria foi implementada uma Consulta Regional da Indústria de Saneamento para incentivar “a colaboração transfronteiriça com o Gana e a Costa do Marfim e identificar formas de melhorar a disponibilidade de casas de banho e serviços de saneamento, a preços acessíveis para as famílias”.

Segundo a diretora da divisão de abastecimento da UNICEF, Etleva Kadili, o apoio dos governos, empresas, doadores e parceiros no terreno tem sido fundamental para “permitir alcançar milhões de crianças o mais rápido possível”.

“No entanto, as necessidades continuam a ser imensas. O financiamento sustentável e de longo prazo deve continuar a ser uma prioridade para conseguir dar resposta às necessidades das crianças em situações cada vez mais complexas”, reforçou.

A UNICEF está presente em 190 países onde trabalha na defesa dos diretos de crianças desfavorecidas.