Seis jornalistas assassinados no México desde o início do ano

Lusa

Uma jornalista mexicana foi assassinada na terça-feira no sudeste do México, elevando para seis o número de jornalistas mortos no país desde o início de 2019, noticiou a imprensa local.

De acordo com a imprensa, Norma Sarabia foi atacada por dois homens armados que circulavam de motorizada, perto da residência da repórter, na cidade de Huimanguillo, no município de Tabasco (sudeste). Os atacantes conseguiram fugir.

Norma Sarabia era correspondente há 15 anos do jornal 'Tabasco Hoy' e trabalhava há algum tempo para outros órgãos de comunicação social locais.

O México é o terceiro país mais perigoso do mundo para a imprensa, depois da Síria e do Afeganistão, com mais de 100 jornalistas mortos desde 2000, segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras.

Em 2018, pelo menos dez jornalistas foram assassinados em diferentes partes do país.

Em maio, um jornalista foi assassinado na costa mexicana das Caraíbas. O corpo de Francisco Romero Diaz, que beneficiava do sistema de proteção aos jornalistas, foi descoberto em Playa del Carmen, a cerca de 70 quilómetros a sul da estância turística de Cancun.