Bolsonaro quer “estreitar” relações do Brasil com países árabes

Lusa

O presidente eleito do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, disse hoje que pretende “estreitar” as relações com os países árabes, após o polémico anúncio de mudar a embaixada do Brasil em Israel de Telavive para Jerusalém.

Jair Bolsonaro recebeu hoje um convite para visitar os Emirados Árabes Unidos, feito pela Federação de Jiu-Jitsu desse país, que organizou uma das etapas do Abu Dhabi Grand Slam, que aconteceu no Rio de Janeiro, neste fim de semana.

Bolsonaro foi convidado pela Federação Brasileira de Jiu-Jitsu a estar presente no evento, que decorreu no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, e entregou medalhas e prémios, garantindo que “o desporto terá um espaço muito especial” no seu governo. “Sou formado em educação física e fui atleta das Foças Armadas. Sempre fui apaixonado pelo desporto, que considero uma linguagem universal com efeitos colaterais muito positivos, como segurança, respeito, desenvolvimento de outros atributos, disciplina e hierarquia", disse capitão do Exército na reforma.

Em declarações aos jornalistas, no local do evento desportivo, o presidente eleito disse que fará “o possível para ir” aos Emirados Árabes Unidos, já que considera “importante” reforçar as relações e os negócios com os países árabes, onde “cerca de mil professores brasileiros” ensinam jiu-jitsu. "É muito importante estreitar relações com os árabes", frisou.

Após a vitória na segunda volta das eleições presidenciais, com 55,1% dos votos, o candidato do Partido Social Liberal (PSL, extrema-direita) anunciou a intenção de mudar a embaixada do Brasil em Israel de Telavive para Jerusalém, gerando polémica e sendo criticado não só pelos países árabes, mas também pelos empresários brasileiros, principalmente os exportadores de carne, que negoceiam com eles.

Ainda que tal anúncio não tenha sido formalizado, uma missão comercial brasileira que deveria visitar o Egito foi cancelada, aparentemente como reação à declarada intenção do presidente eleito.

Segundo dados oficiais, os países árabes representam um dos mercados mais importantes para o Brasil, que, em 2017, exportou para esse mercado produtos num valor de 11,8 milhões de euros.