Venezuela anuncia que já recebeu os pernis de porco para o Natal

Lusa

A Venezuela anunciou hoje que já chegaram os pernis de porco que vão ser distribuídos durante o Natal, um ano depois de ter acusado Portugal de sabotar o envio daquele produto, muito procurado pelos venezuelanos durante a época natalícia.

"Estamos a rever a mercadoria que está a chegar ao país, através do porto de La Guaira", anunciou o ministro de Alimentação venezuelano, Luís Medina.

A chegada do pernil foi confirmada pelo ministro venezuelano, através da sua conta na rede social Twitter onde o explicou que garantirá uma tradição do povo da Venezuela, mas sem confirmar a quantidade de pernis ou a sua proveniência, que chegaram ao principal porto marítimo do país.

Em finais de 2017 o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou Portugal de sabotar a importação de pernil de porco por parte do seu governo, que não cumpriu a promessa de distribuir entre o povo este tradicional alimento de Natal.

"O que se passou com o pernil? Fomos sabotados e posso dizer de um país em particular, Portugal. Estava tudo pronto, comprámos todo o pernil que havia na Venezuela, mas tínhamos que importar e sabotaram a compra", disse na altura Nicolás Maduro, durante uma alocução televisiva.

O Presidente da Venezuela referiu que tinha feito um plano e acertado os pagamentos, mas que "foram perseguidos e sabotados os barcos" que traziam o pernil, lamentando ainda que alguns países tivessem bloqueado as contas bancárias que iriam ser utilizadas para efetuar os pagamentos.

Por outro lado, o vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, o partido do Governo), Diosdado Cabello, tido como o segundo homem do regime, acusou os portugueses de se terem assustado com os norte-americanos.

"Os portugueses comprometeram-se, os 'gringos' (norte-americanos) assustaram-nos e não mandaram o pernil e estamos em apertos", disse à televisão estatal, atribuindo a sabotagem a uma estratégia da "direita" para que "o povo brigue com o próprio povo".

O ministro dos Neg√≥cios Estrangeiros portugu√™s, Augusto Santos Silva, rejeitou a acusa√ß√£o de sabotagem √† venda de carne de porco √† Venezuela, frisando que Portugal √© uma economia de mercado em que o Governo n√£o interfere nas rela√ß√Ķes entre empresas.

"O Governo portugu√™s n√£o exporta pernil de porco, nem para a Venezuela, nem para nenhum pa√≠s do mundo", disse ent√£o Augusto Santos Silva √† imprensa √† margem do 6.¬ļ F√≥rum de Graduados Portugueses no Estrangeiro, em Lisboa.

Ainda em finais de 2017, a empresa agroalimentar Raporal- Ra√ß√Ķes de Portugal revelou que a Venezuela devia, na altura, cerca de 40 milh√Ķes de euros √†s empresas portuguesas fornecedoras de pernil de porco √†quele pa√≠s.

A falta de pernil motivou vários protestos da população, que reclamou pela falta de alguns bens alimentares, mas também pelos altos preços de alguns produtos.

Estima-se que pelo menos 6 milh√Ķes de venezuelanos recebem pernil a pre√ßos subsidiados atrav√©s das bolsas de alimentos subsidiados pelo Estado.