Jornalistas sul-africanas detidas pelas autoridades da Tanzânia

José Luís da Silva – Correspondente em Joanesburgo ( África do Sul )

As jornalistas sul-africanas Muthoki Mumo e Ângela Quintal foram detidas pelas autoridades tanzanianas de emigração,anteontem, no quarto de hotel em Dar es Salaam. Apesar de serem restituídas à liberdade, não lhes foram devolvidos os passaportes.

Muthoki Mumo é representante do Comité Africa Programa para Proteção de Jornalistas (CPJ) para a Região Subsaariana e Ângela Quintal, ex-editora do semanário Mail & Guardian, é presentemente a coordenadora do CPJ. As mulheres encontravam-se naquele país africano para elaborar um relatório para o CPJ sobre a liberdade de imprensa.

As autoridades sul-africanas desconhecem, para já, as razões para a detenção, mas a libertação ficou a dever-se à firme intervenção do Departamento Internacional de Relações e Cooperação da África do Sul (DIRCO ), que confirmou que as jornalistas regressaram ao hotel, adiantando ainda que está previsto um diálogo internacional sobre a situação.

Ndivhuwo Mabaya contactou as jornalistas telefonicamente durante o dia de hoje, porém, continua por clariificar a natureza do interrogatório a que foram submetidas. No entanto, admite-se que esteja, muito provavelmente, relacionado com a recente ofensiva das autoridades tanzanianas para identificação de homossexuais, o que é efetivamente uma ofensa criminal neste país da África Oriental. O CPJ mobilizou uma rede de 40 especialistas que informam e atuam em prol das pessoas visadas.