Enfermeira afirma ter envenenado 20 pacientes

Lusa

Uma antiga enfermeira de um hospital num subúrbio de Tóquio, detida sob suspeita de ter matado um paciente, disse aos investigadores que envenenou cerca de 20 pessoas, segundo os meios de comunicação japoneses.

Ayumi Kuboki, 31 anos, foi detida neste sábado no âmbito de uma investigação sobre a morte de um homem de 88 anos num hospital perto de Tóquio, afirmou hoje a polícia japonesa, sem disponibilizar mais detalhes sobre a investigação.

Suspeita de ter injetado desinfetante nas bolsas de administração intravenosa de um paciente em 2016, Kuboki admitiu à polícia que fez o mesmo a mais 20 pacientes, segundo reportaram os meios de comunicação japoneses.

De acordo com a comunicação social, a polícia japonesa detetou a presença de desinfetante nos corpos de mais quatro pacientes, com idades compreendidas entre os 70 e 80, que morreram no hospital num curto espaço de tempo.

Um líquido semelhante foi também detetado no equipamento de infusão intravenosa.

Kuboki explicou que pretendia que as mortes dos pacientes não ocorressem durante os seus turnos.

"Explicar aos familiares a morte de um parente durante as minhas horas de serviço era muito difícil", disse Kuboki aos investigadores, citada pela agência de notícias japonesa Jiji.

Foram registados, nos últimos anos, vários casos de assassínios de pacientes em centros de cuidados de saúde.

Em julho de 2016 Satoshi Uematsu foi responsável pelo maior massacre no Japão em décadas, ao matar 19 doentes e ferir outros 25 com uma faca, depois de ter imobilizado os prestadores de cuidados num centro para pessoas com deficiência mental em Sagamihara, a oeste de Tóquio.