Morreram 257 pessoas na queda de avião militar na Argélia

Lusa

A queda de um avião militar da Força Aérea argelina matou hoje 257 pessoas, anunciou o Ministério da Defesa em comunicado.

Os mortos são 247 passageiros e 10 tripulantes, segundo o texto, que não faz referência a sobreviventes.

O avião dirigia-se à cidade de Tindouf, perto da fronteira com Marrocos, com uma escala em Bechar, mas despenhou-se minutos após a descolagem da base aérea de Boufarik, a cerca de 25 quilómetros da capital, Argel, sobre um terreno agrícola perto de Blida.

Outras versões indicam que o aparelho se dirigia a Bechar e tinha uma escala em Tindouf.

As causas do acidente são desconhecidas, segundo o comunicado.

O Ministério disse que a maioria das vítimas são militares e familiares e que os corpos foram transportados para o hospital militar de Ain Naadja para serem identificados.

Fontes sarauís citadas pela agência EFE disseram que entre os mortos há 26 cidadãos saarauís, estudantes ou pessoas que viajaram para Argel para resolver assuntos médicos ou burocráticos e que é habitual disporem de lugares nos voos militares para regressarem.

Tindouf acolhe campos de refugiados do vizinho Saara Ocidental, território disputado que foi anexado por Marrocos.

As operações de socorro envolveram mais de 300 pessoas, entre elementos da proteção civil, médicos e paramédicos, polícias e militares.

Segundo jornalistas no local, as chamas que consumiram o aparelho já foram extintas.

O acidente de hoje é o mais grave acidente aéreo dos últimos 15 anos na Argélia.

Em fevereiro de 2014, um avião militar C-130 Hercules embateu numa montanha no leste da Argélia, matando 76 pessoas e deixando apenas um sobrevivente.

Em 2003, outro C-130 da Força Aérea incendiou-se após a descolagem de Boufarik, matando 10 pessoas.

Também em 2003, um avião comercial despenhou-se em Tamanrasset (sul), matando 102 pessoas.