Administração Trump alvo de queixa de imigrantes por perseguição racial

Lusa

Um grupo de imigrantes haitianos e salvadorenhos apresentou hoje, no Estado norte-americano do Massachusetts, um processo contra o Presidente dos EUA, Donald Trump, após uma decisão administrativa ter anulado as condições especiais que protegia estas pessoas.

O processo, apresentado no tribunal federal de Boston, capital do Estado do Massachusetts, acusa a administração norte-americana de ter motivos raciais, de acordo com a imprensa local.

Aos imigrantes do Haiti e El Salvador tinha sido dado um estatuto de proteção temporária, que permitia que vivessem e trabalhassem nos Estados Unidos da América.

O programa humanitário ajudava pessoas oriundas de países vítimas de conflitos armados, desastres naturais ou outras dificuldades.

A administração de Trump justificou o cancelamento destas medidas com a melhoria das condições nos dois países.

No ano passado, a administração norte-americana pôs também fim à proteção aos nicaraguenses (oriundos da Nicarágua) e espera-se que uma decisão seja tomada ainda este ano em relação aos cidadãos das Honduras no país.

Em janeiro de 2018, a Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês), apresentou um processo semelhante, em nome dos imigrantes haitianos.