Crime organizado na Venezuela aumentou 51% no ano passado

No ano passado registaram-se 1.335 ações do crime organizado, na Venezuela, mais 51 do que no ano anterior (2016), informou hoje a organização não-governamental (ONG) Paz Activa, com base na comunicação social.

O diretor executivo da paz Activa, Luis Cedeño, disse à agência noticiosa espanhol Efe que se registaram 262 assassinatos encomendados, que causaram 310 mortos, o que dá uma média de 22 homicídios pagos, por mês.

Mais de metade dos assassinatos encomendados (66,7%) registaram-se no Estado de Zulia, no oeste do país, que confina com a Colômbia, e 89% das vítimas foram homens, dos quais 83,2% tinha entre 18 e 44 anos, e a grande maioria residente em zonas desfavorecidas.

Cedeño sublinhou que o relatório da organização se baseia nas publicações diárias de mais de 50 meios de comunicação social nacionais e regionais, durante todo o ano de 2017.

Outros casos de crime organizado noticiados na Venezuela, foram o narcotráfico registou 256 casos, a extorsão, 248, o sequestro, 206, e o contrabando, 170.

A Paz Activa indicou que se noticiaram 77 delitos financeiros, 67 de corrupção, 29 de lavagem de dinheiro, 12 crimes informáticos, e oito relacionados com mineração ilegal.

Segundo dados oficiais, a Vebezuela registou no ano passado 89 mortos por cada 100.000 habitantes, o que se traduz em 26.616 vítimas, uma descida de cerca de 03% relativamente às cifras do ano anterior, 2016, e mantém o país no 2.º lugar da lista dos Estados masi perigosos do mundo, que é liderada pela República de El Salvador, noticou a Efe.