Justiça americana vai investigar tráfico de droga com ligações ao Hezbollah

Lusa

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos vai formar uma equipa de procuradores para investigar tráfico de droga e lavagem de dinheiro associados ao movimento xiita libanês Hezbollah, apoiado pelo Irão, anunciou hoje procurador-geral norte-americano.

A decisão de Jeff Sessions, cujo cargo equivale ao de ministro da justiça, surge na sequência de notícias que dão conta que altos responsáveis da anterior administração norte-americana, liderada pelo democrata Barack Obama, bloquearam várias acusações relativas ao tráfico de droga relacionadas com o Hezbollah devido a receios de que estas poderiam pôr em risco o acordo nuclear com o Irão.

O Presidente Donald Trump e os Republicanos no Congresso dos EUA têm vindo a pressionar Sessions para analisar em profundidade os acordos da era Obama, num esforço que os democratas consideram ser uma tentativa de desviar as atenções das investigações ao alegado conluio entre a Rússia e a campanha presidencial do atual mandatário da Casa Branca.

A primeira tarefa da nova equipa será a de investigar provas recolhidas num programa criado pela DEA (agência de combate às drogas, Drug Enforcement Agency) na era Obama, o Projeto Cassandra.

Sessions anunciou em dezembro que iria fazer uma vistoria ao programa, depois de o jornal Politico ter noticiado que o programa visou o tráfico de cocaína conduzido pelo Hezbollah - para os EUA e para outros países - e que teria sido "abafado" por responsáveis da administração Obama.

Na altura, a administração Obama estava a tentar melhorar as relações com o Irão para assinar um acordo com vista a limitar o seu programa de armas nucleares.

O acordo acabaria por ser assinado (entre o Irão e os EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha), em 2015, trocando a limitação do programa nuclear (e supervisão sobre o mesmo) pelo fim das sanções económicas contra Teerão.

Os EUA consideram o Hezbollah um grupo terrorista, controlado de forma indireta pelo Irão.

Os procuradores vão especializar-se em terrorismo, tráfico de narcóticos e crime organizado, concentrando-se sobretudo nos fluxos de dinheiro para grupos terroristas, disse Sessions.

"O Departamento de Justiça não vai deixar pedra sobre pedra no sentido de eliminar ameaças aos nossos cidadãos por parte de organizações terroristas e para controlar a vaga de drogas", disse Sessions.