Costa do Marfim investe 405 M€ em programas para afastar jovens do extremismo

LUSA

A Costa do Marfim investirá 405 milhões de euros, durante três anos, em seis das suas regiões limítrofes do Burkina Faso e Mali, dois países flagelados pela violência extremista islâmica, para promover programas destinados à sua “juventude altamente vulnerável".

"Como parte da luta contra a vulnerabilidade no Norte, particularmente nas seis regiões limítrofes do Burkina Faso e do Mali, o governo lançou um ambicioso programa de integração, educação e infraestruturas sanitárias, com um custo total de 405 milhões de euros" durante o período 2022-2024, disse hoje o ministro para a Promoção da Juventude e da Integração Profissional marfinense, Mamadou Touré.

O plano inclui um "programa específico de 33 mil milhões de francos CFA [50 milhões de euros] para 60.000 jovens" em formação, aprendizagem e financiamento das suas microempresas, afirmou.

"Estamos a fazer prevenção. (...) Isto é extremamente importante para o nosso país", acrescentou o ministro.

Perante a ameaça extremista no norte do país, que tem sido alvo de ataques armados esporádicos nos últimos dois anos, as autoridades marfinenses defendem uma resposta de segurança em colaboração com os países vizinhos.

"Queremos, juntamente com a resposta militar (…) construir um programa social ambicioso para (…) dar aos jovens perspetivas para evitar que sejam alvos fáceis dos movimentos 'jihadistas'", explicou Touré, recordando que "muitos jovens que abandonaram as madrassas [escolas corânicas] têm por vezes dificuldade em integrar-se".