Coreia do Norte considera sanções “provocação atroz”

A Coreia do Norte classificou hoje de "provocação atroz" e "bloqueio económico de grande escala" o programa de sanções imposto por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU sobre o regime de Pyongyang, pelo seu mais recente teste nuclear.

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte referiu hoje, em comunicado publicado pela agência estatal KCNA, que as sanções são "resultado de uma provocação atroz destinada a privar a República Popular Democrática da Coreia do seu legítimo direito de autodefesa e para sufocar completamente o seu estado e as suas pessoas através de um bloqueio económico em larga escala".

A declaração acrescenta que as sanções propostas servem para Pyongyang verificar que "o caminho que adotou é absolutamente correto".

O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade um novo conjunto de sanções à Coreia do Norte pelo seu programa nuclear, interditando as exportações têxteis e reduzindo o seu abastecimento em petróleo e gás.

As sanções são menos drásticas do que o previsto inicialmente pelos Estados Unidos, que exigia uma proibição total dos países membros da ONU venderem à Coreia do Norte gás, petróleo e produtos petrolíferos.

A Rússia e a China, com direitos de veto sobre as resoluções do Conselho de Segurança, manifestaram a sua opinião em relação a alguns pontos, pelo que se abriu uma ronda negocial que permitiu suavizar as medidas.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou a resolução depois do exército da Coreia do Norte ter realizado a 03 de setembro o sexto e mais potente ensaio nuclear com uma bomba de hidrogénio.

Lusa