Covid-19: Europa ultrapassa o milhão e meio de mortes

Lusa

A Europa ultrapassou hoje 1,5 milhões de mortes associadas à covid-19 e vários países do continente estão a repor as restrições para tentar travar as contaminações recorde, segundo um balanço da agência France-Presse até às 10:00.

O balanço da AFP com base em dados oficiais indica um total de 1.500.105 mortes confirmado oficialmente na Europa (52 países e territórios desde a costa atlântica até ao Azerbaijão e a Rússia) desde que foi registado no continente o primeiro óbito, em fevereiro de 2020.

A contagem, que leva em consideração os mortos registados pelas autoridades sanitárias nacionais, representa apenas uma parte dos óbitos efetivamente associados ao novo coronavírus.

A OMS estima que, considerando o excesso de mortalidade direta e indiretamente vinculado à Covid-19, o número de vítimas da pandemia pode ser duas a três vezes maior do que o registado oficialmente.

O número de mortes tem estado em alta desde meados de julho (4.210 mortos diários em média nos últimos sete dias, mais 1% numa semana e mais 5% do que há duas semanas) na Europa, o novo epicentro da pandemia.

Esse número atinge um nível semelhante ao do outono de 2020, quando a Europa entrou na segunda vaga, durante a qual o continente viveu a semana mais letal (entre 14 e 20 de janeiro de 2021), e as campanhas de vacinação contra o coronavírus ainda não tinham começado.

Mas, em comparação, o ritmo de progresso dessas duas ondas é notavelmente diferente.

Com cerca de 29.500 mortes entre 18 e 24 deste mês, as novas mortes no continente europeu quadruplicaram desde meados de julho, ou seja, em 20 semanas.

No ano passado, levou apenas cinco semanas para passar de 7.000 para 30.000 mortes semanais.

Atualmente, o país mais afetado é a Rússia, que regista cerca de 30% das mortes diárias no continente europeu, com 1.246 mortes em média por dia.

Segundo dados oficiais que as próprias autoridades consideram bastante subestimados, a Rússia é também o país com mais óbitos, 269.057 mortes no total.

De acordo com a agência nacional de estatísticas russa Rosstat, que tem uma definição mais ampla de mortes associadas à covid, o número total de óbitos na Rússia era de quase 450.000 no final de setembro.

O Reino Unido (144.286 mortes) e a Itália (133.415 mortes) seguem atrás da Rússia com o maior número total de mortes.

O número de novas contaminações também tem aumentado desde o início de outubro na Europa.

As novas infeções atingiram uma média de 369.915 casos por dia entre 18 e 24 deste mês, mais 14% em comparação com a semana anterior.

No início deste mês, e para combater a pandemia, a OMS apelou à continuidade da vacinação, ao uso de máscaras e à prática de medidas de distanciamento social.

A organização teme mais 700.000 mortes na região até a primavera.