Covid-19: Espanha regista 6.654 novos casos e passa de risco "alto" para "médio"

Lusa

A Espanha registou 6.654 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 3.149.012 o total de infetados até agora no país, com o nível de contágios a diminuir para uma zona de "risco médio", segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

As autoridades sanitárias também contabilizaram mais 637 mortes desde quarta-feira atribuídas à covid-19, passando o total de óbitos para 71.138.

O número diário de novos casos subiu de quinta-feira para hoje de 6.037 para 6.654, e o de mortes de 254 para 637.

O nível de incidência acumulada (contágios) em Espanha continua a descer, tendo passado de 153 para 149 casos diagnosticados por 100.000 habitantes nos 14 dias anteriores.

Espanha está agora abaixo da fasquia dos 150 casos o que significa, segundo a Organização Mundial da Saúde, que passa de país em “risco alto” para um em “risco médio”.

As regiões com os níveis mais elevados são as de Madrid (245), País Basco (204), Astúrias (192), Catalunha (191), Aragão (179), Castela e Leão (139) e Andaluzia (132).

Apenas a comunidade autónoma da Extremadura, que faz fronteira com Portugal, tem uma incidência acumulada inferior a 50 casos, mais precisamente 46 casos, o que, segundo a Organização Mundial da Saúde, permite afirmar que a pandemia está “controlada”.

Nas últimas 24 horas deram entrada nos hospitais em todo o país 908 pessoas com a doença (899 na quinta-feira), das quais 192 na Catalunha, 184 em Madrid e 150 na Andaluzia.

Por outro lado, baixou para 9.896 o número de pessoas hospitalizadas com a covid-19 (10.788), o que corresponde a 8% das camas, das quais 2.571 pacientes em unidades de cuidados intensivos (2.709), 25% das camas desse serviço.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.570.291 mortos no mundo, resultantes de mais de 115,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.486 pessoas dos 808.405 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.