Venezuela: Maduro pede a Joe Biden profunda retificação na política externa

Lusa

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu ao homólogo norte-americano, algumas horas após a tomada de posse de Joe Biden, que fizesse uma profunda retificação na política externa dos Estados Unidos.

"Apelo, hoje, 20 de janeiro, a uma profunda e completa retificação e a que o Presidente, Biden, tome as rédeas do comando sobre a política latino-americana e sobre a Venezuela, e abandone a demonização que fizeram de uma sociedade", disse Maduro num discurso que foi transmitido na rádio e na televisão.

O líder venezuelano, que disse ter visto três vezes o discurso de tomada de posse de Biden, insistiu no apelo do político democrata para superar as "demonizações".

"Apelo ao novo Governo dos EUA para superar a demonização que fizeram da revolução bolivariana (…) e virar a página sobre tanta mentira, tanta manipulação, tanto ódio após quatro anos de crueldade contra a Venezuela", disse.

Maduro desejou ao novo Presidente dos EUA sorte "no tratamento dos assuntos do seu país" e "uma nova política de paz no mundo".

"Espero, sem dúvida, que ele não assuma como seu o legado cruel do supremacista [em referência a Donald Trump] contra a Venezuela e retifique as políticas sobre a Venezuela. Toda a Venezuela o aplaudiria", frisou.

O líder venezuelano repetiu que está preparado para "estender a mão" à nova administração dos EUA e nesse sentido exortou a Comissão de Política Externa do Parlamento venezuelano, com uma grande maioria do Governo, a trabalhar para criar um "novo começo nas relações" entre os dois países.

"Donald Trump desapareceu, derrotamo-lo, vitória para a Venezuela", enfatizou Maduro, salientando que a partida do político republicano da Casa Branca significava algo "belo".

"É o dia perfeito. Perante a derrota, a solidão e a reforma de Donald Trump, é bom mostrar o colorido da diversidade da identidade venezuelana. A cultura, identidade e rebelião da Venezuela triunfaram", afirmou.

"Nestes quatro anos Donald Trump instalou uma história extremista, uma narrativa extremista sobre a Venezuela e hoje podemos dizer que sobre a Venezuela Donald Trump falhou, ele foi derrotado pela realidade", frisou.

Joe Biden - que sucede a Donald Trump, após ter vencido o republicano nas eleições presidenciais de 03 de novembro - prestou, na quarta-feira, juramento na escadaria oeste do Capitólio, numa cerimónia sob um forte dispositivo de segurança, após o violento ataque ao Congresso, a 06 de janeiro, por uma multidão de apoiantes de Donald Trump.