Joe Biden é contra a pena de morte e admite pôr fim à prática

Lusa

O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, é contra a pena de morte e tenciona acabar com aquela prática, disse hoje o seu porta-voz, quando estão agendadas mais três execuções para antes da posse do novo chefe de Estado.

Biden “opõe-se à pena de morte agora e no futuro”, disse o porta-voz do presidente eleito os EUA, não esclarecendo se as execuções serão imediatamente suspensas quando Biden tomar posse, adiantou a Associated Press (AP).

As execuções federais foram retomadas este ano, depois de 17 anos de intervalo. Isto, apesar do contexto da pandemia de covid-19 que já matou mais de 250 mil pessoas no país e em que o vírus está ativo dentro do sistema prisional americano.

Este ano, o Departamento de Justiça já procedeu a mais execuções do que as que ocorreram nos últimos 50 anos, ainda que o apoio à pena de morte seja cada vez mais fraco entre Democratas e Republicanos.

De acordo com documentos oficiais estão agendadas execuções para 11 de dezembro e para 14 e 15 de janeiro, dias antes da tomada de posse de Joe Biden, a 20 de janeiro.