Jornadas: Olavo Câmara pede mais atenção do Governo à costa norte

Susy Lobato

Para Olavo Câmara, o mais importante na questão da desertificação e do futuro do concelho é a criação de emprego.

“É isso que vai fixar as pessoas no concelho”, defendeu o jovem advogado, no espaço de debate das Jornadas Madeira, que esta quinta-feira rumou ao Espaço Multiusos do Porto Moniz.

De resto, considerou que as medidas possíveis já foram aplicadas pelo município. “No Porto Moniz implementamos quase todas as medidas ao mesmo tempo, para inverter todos os números e todos os fatores para esbater a questão da desertificação”, sublinhou, reconhecendo que “é preciso fazer muito mais”. “Mas não cabe muito mais à Câmara fazer. Para haver futuro no norte tem de haver uma estratégia e essa estratégia tem de ser delineada pelo Governo Regional, pois é quem tem as ferramentas, as competências e os meios financeiros necessários para que isso aconteça”, sublinhou, referindo-se, de forma concreta, ao turismo.

“No fim do ano, por exemplo, só vemos o Governo a investir milhões no Funchal. O mesmo acontece na Festa da Flor”, salientou, lamentando que não seja dado apoio para dinamizar a costa norte nessas festividades. “Precisamos de uma política estruturante para o concelho e para a costa norte, pois o todo o esforço que a Câmara faz não é suficiente”, concluiu.