Luís Sousa lamenta ‘fraca aposta’ da Escola da Ribeira Brava nas áreas tecnológicas (vídeo)

Ainda no período de debate, o subdiretor do JM, Miguel Silva, questionou o administrador da ACIN, Luís Sousa, sobre o que pode a Escola da Ribeira Brava fazer para estar “mais integrada” no vale tecnológico.

O administrador surgiu que a instituição consultasse a ACIN ou ACIF – esclarecendo que esta última tem uma mesa de tecnologias na qual estão representadas as principais empresas da Região – a fim de encontrar o “melhor conteúdo programático” para a organização de um curso tecnológico. “Não faz sentido nenhum que a escola da Ribeira Brava não se envolve neste projeto”, reforçou.

Luís Sousa citou a Universidade da Madeira como exemplo, pois utiliza um espaço na ACIN no qual os alunos adquirem novas aprendizagens tecnológicas. “Esta escola nunca está orientada aos alunos”, referiu. Para sustentar a afirmação, o administrador recorda que os campos de futebol da instituição escolar foram, em tempos, retirados e transformados em áreas de estacionamento.