Escola Horácio Bento Gouveia: “Mais atenção para os idosos”

Cláudia Ornelas

Participou nas edições anteriores e a próxima não será exceção. Pela terceira vez consecutiva, a Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia concorre às ‘Olimpíadas’ e ‘Curtas-metragens’ do ‘IncluEuropa’, um projeto da Secretaria Regional da Educação, através da Direção Regional da Juventude e Desporto, em conjunto com a eurodeputada Liliana Rodrigues.

Beatriz Jorge ressalta a necessidade de os seus alunos serem cidadãos informados, ativos e responsáveis, pois serão a próxima geração envolvida na construção do projeto europeu e na divulgação dos seus valores. Acrescenta que o concurso é também uma oportunidade de os alunos conhecerem melhor a história e a cultura da União Europeia, sensibilizando-os para os seus direitos e responsabilidades enquanto cidadãos europeus.

Uma Europa mais desenvolvida, a nível tecnológico e científico, é a vontade de Afonso Teles. Este estudante de 14 anos, que vai participar nas ‘Curtas’, deseja uma “sociedade europeia mais equilibrada” no futuro.

Melhores políticas para a Saúde, Educação e Ambiente, em particular para a redução da poluição, é o que pede Maria Gonçalves. A aluna pede também mais atenção para os idosos, de forma a que sejam evitadas “situações de abandono” e “condições pouco dignas com que alguns se confrontam”. A jovem de 14 anos solicita também mais informação sobre os direitos dos cidadãos europeus. “Só a partir desse conhecimento é que podemos ser reivindicativos e fazer prevalecer os nossos direitos, independentemente da nossa cultura”, assevera.

Um aumento da utilização das energias renováveis, é o que gostaria de ver Rodrigo Carvalho, de 15 anos, na Europa do futuro. Declara que, para esse efeito, o Projeto Europeu deve ser mais ambicioso nas suas políticas ambientais, de forma a que estas promovam uma boa gestão dos recursos e bem-estar.

Sobre os recém-chegados da Venezuela à União Europeia, João Pereira, de 14 anos, louva a ambição destes imigrantes e a sua capacidade de desempenho no mercado de trabalho. Maria Freitas, de 14 anos, afirma que deve ser posto em prática “um programa mais concreto, com a finalidade exclusiva de apoiar cada família afetada pelo problema”. Considera ainda que deve ser dada, em primeiro lugar, “especial atenção às crianças e jovens” para que contribuam, “de forma ativa”, para o Projeto Europa.

Por fim, Matilde Barros, de 14 anos, sublinha a importância da atribuição de subsídios temporários a estas pessoas até que um emprego lhes garanta melhores condições de vida.

Participam também nesta iniciativa os alunos Rita Batista, Alberto Pestana, Ana da Silva, Diogo Silva, Sara Claudino, Tiago Nóbrega, Laura Souza e, como suplentes, os estudantes Joana Rodrigues, Mário Sores e Victória Gonçalves.