Escola do Campanário: “Desejo uma Europa livre e segura”

Cláudia Ornelas

São projetos como este que fazem “com que os participantes se sintam valorizados como alunos e cidadãos ativos, não apenas no contexto regional, mas também no contexto europeu”. É desta forma que a professora Carol Marques fala sobre o ‘IncluEuropa’, tendo inscrito cinco estudantes da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Cónego João Jacinto Gonçalves Andrade na 3.ª edição das ‘Olimpíadas’, uma iniciativa da eurodeputada Liliana Rodrigues.

Na opinião da docente, esta é uma oportunidade para os alunos aprofundarem os seus conhecimentos sobre a Europa e adquirirem competências adicionais que serão certamente úteis para a sua vida futura.

“É muito positivo que os alunos saiam do espaço escolar para que se sintam realmente parte ativa da comunidade em que se inserem e participem em atividades em conjunto com outras escolas”, declara.

Ter, no futuro, uma “Europa unida de forma a que todos os seus membros cooperem entre si, esquecendo as rivalidades do passado”, é o que deseja Miguel de Sousa, de 14 anos.

“Quero, também, uma Europa capaz de promover uma melhor qualidade de vida investindo na educação e na saúde. Para além disso, desejo uma Europa livre, onde todos possam ter ideologias diferentes, sem preconceitos nem descriminações. Por fim, quero que a nossa Europa se torne num lugar mais seguro, onde a população não tenha medo de sair à rua devido aos movimentos terroristas. Esta é a Europa que eu quero para o meu futuro”, conclui o estudante. Sobre a transição dos meios tecnológicos para o digital, que tem criado alguns desafios nos países europeus, Mariana Correia, de 14 anos, ressalta que esta evolução, apesar de ser criticada por muitos, tem os seus benefícios. “Graças ao desenvolvimento tecnológico, áreas como a medicina, a construção civil, a indústria, entre outras, proporcionam às sociedades maior conforto, bem-estar e qualidade de vida”, conclui a aluna.