CAT: CEO da Marina de Lagos aponta Lugar de Baixo como "um mau exemplo"

Patrícia Gaspar

Martinho Fortunato, Ceo da Marina de Lagos, utilizou esta manhã, durante os trabalhos da XII Conferência Anual do Turismo, a Marina do Lugar de Baixo como um "mau exemplo" na forma como se programa um investimento desta natureza.

Lembrando que o modelo de gestão é crucial, o responsável pela Marina de Lagos considerou que "uma marina malfeita normalmente é irrecuperável", uma vez que se trata de um projeto que deve ser pensado a muito longo prazo e de acordo com as condições adjacentes oferecidas pelo espaço geográfico onde se insere.

Martinho Fortunato sublinha a importância dos estudos técnicos e de viabilidade económica na delimitação, por exemplo, da dimensão de uma marina, em que o número de barcos paga o investimento, assumindo a componente imobiliária importância (com um impacto de 10 a 15%) na medida em que 'sustenta' o investimento nas infraestruturas de proteção como os quebra-mares ou os pontões.

Num país rico em costa, rios e barragens, com um clima e uma localização geográfica privilegiados, Portugal tem excelentes condições para beneficiar do crescimento mundial do mercado náutico, um setor com elevados rendimentos e forte capacidade de criação de postos de trabalho.