CAT: “Como disse e repito: são pornográficos”, insiste Albuquerque sobre preços da TAP

Alberto Pita

O presidente do Governo Regional insistiu hoje que os preços que a TAP está a praticar para a Madeira são “pornográficos”

“Como disse e repito: são pornográficos”, declarou Miguel Albuquerque, na sessão de abertura da XII Conferência Anual do Turismo, que se realiza no Centro de Congressos da Madeira, este ano subordinado ao tema “rentabilidade”.

Albuquerque avisou a plateia que o tema que trazia para a abertura da conferência não era a “rentabilidade”, mas a “mobilidade”, embora, no caso, fossem temas que se interligavam.

Ao ataque, Miguel Albuquerque comparou as razões apresentadas pelo Governo da República para a recompra da TAP, em 50%, e as declarações que Antonoaldo Alves, CEO da companhia de bandeira, quando esteve a “prestar depoimento” perante “os representantes da Madeira e do Porto Santo”, na Assembleia Legislativa da Madeira, a 2 de outubro.

Recordou que o presidente da TAP disse de “forma taxativa” que as regiões autónomas eram iguais a qualquer outro destino, e que a estratégia era “puramente comercial e centrada para o lucro”. Segundo Albuquerque, Antonoaldo rejeitou também que a TAP tivesse alguma responsabilidade de acautelar o interesse público e assumiu que a companhia não tinha recebido “qualquer orientação estratégica” do “ministro da tutela ou do primeiro-ministro”.

Entretanto, a companhia cancelou mais de 80 voos e pratica preços elevadíssimos”, enfatizou o governante.

Perante esta posição de Antonoaldo Alves, acrescentou Miguel Albuquerque, “importa lembrar quais foram os argumentos do Governo da República quando recomprou 50% da companhia”.

Em dezembro de 2015, recordou, o primeiro-ministro justificou a recompra e, mais tarde, o Governo da República voltou a fazê-lo ao Tribunal de Contas. Alegou na altura, disse o chefe do governo regional, entre outras razões, que o Estado estava a “tratar das obrigações do princípio da continuidade territorial com as regiões autónomas”. “Estes são desideratos nacionais que só agora estão garantidos”, terá invocado também.

Face a estas duas posições, Albuquerque disse que “está errado” o que veio Antonoaldo Alves dizer à Madeira, “ou estamos aqui perante mais uma estratégia de refinanciamento encaputado da companhia”.