CAT: Ordem dos Economistas desafia Governo a "democratizar atividades económicas"

Patrícia Gaspar

XII Conferência Anual do Turismo arranca, no Centro de Congressos, com repto ao Governo Regional.

Democratize-se as atividades económicas e taxe-se as mesmas. O apelo é de Paulo Pereira. Na sessão de abertura da edição 2018 da CAT, o presidente da delegação regional da Ordem dos Economistas, defendeu a ideia de a generalidade das empresas é mais rentável no mercado livre, pedindo ao Governo para que não ceda aos grupos de interesses e veja "para além dos atos eleitorais".

A economia, referiu Paulo Pereiora, não é um jogo em que o "lucro de um anula o do outro" e as empresas devem ser geridas para a rentabilidade, potenciando a rredistribuição da riqueza.

O líder da delegação regional dos Economistas aproveitou ainda a sessão de abertura da ediçao 2018 da CAT para recordar que a rentabilidade nos sucessivos ciclos do setor turístico, sejam eles positivos ou de crise, está fortemente associada à experiência que está no mercado há longa data, considerando, nesse contexto, que o programa deste ano da Conferência Anual do Turismo vai permitir "extrair conhecimentos" altamente proveitosos para os diferentes players regionais.