CDU assume-se como terceira força política no Funchal

Redação

Embora ainda estejam por realizar as Assembleias de Apuramento relativas ao ato eleitoral de 26 de setembro, o gabinete de imprensa da CDU diz ser já possível assegurar a confirmação de que é a terceira força política mais votada no concelho do Funchal.

"Se o quadro político se tornou mais adverso para as populações do concelho do Funchal nestas últimas Eleições Autárquicas, dado que ficam mais limitadas as possibilidades de proposta e de exercício fiscalizador, ficam mais condicionados os meios de reivindicação e de reclamação por parte do povo do Funchal, atendendo a que na Câmara Municipal do Funchal ficam sozinhos o PSD e o PS, porém a votação alcançada pela CDU fornece ferramentas de iniciativa política que não podem ser subestimadas quanto à desafiante tarefa política de concretizar as funções de uma oposição exigente e consequente na defesa do interesse público e no tecer de uma política alternativa", explica o partido em comunicado enviado às redações.

A mesma nota refere ainda que os resultados já apurados permitem confirmar que, "para além de ter sido a CDU a terceira força política mais votada no concelho do Funchal, a CDU elegeu Herlanda Amado como deputada municipal".

"Num contexto político marcado por uma lógica de bipolarização muito fechada, fortemente condicionada pela sua forçada mediatização, como não havia memória, maior significado político ganha a eleição por parte da CDU de uma deputada à Assembleia Municipal do Funchal. Esta eleição dá às populações do concelho do Funchal uma redobrada certeza de que haverá na Assembleia Municipal do Funchal uma representação institucional do povo do Funchal capaz de garantir força política e de incutir exigência proponente em articulação com as grandes causas da cidade e dos cidadãos, na fidelidade aos valores da justiça social e na defesa da coesão territorial", acrescenta o comunicado.

A terminar, a CDU diz que os resultados alcançados em cada um dos concelhos da Região "comportam um apelo ao agir continuado em defesa dos direitos do povo ao desenvolvimento local e regional", recordando que se apresentou em todas as freguesias e em todos os concelhos da RAM "com listas próprias, nalguns lugares com expressão eleitoral mais vincada ou mais significativa do que noutros, mas em todos eles incorporando o sentir de pessoas que aspiram a uma sociedade mais justa e mais solidária".

"Em cada um dos votantes na CDU é possível descortinar um apelo, que é ao mesmo tempo um imenso desafio a um agir político capaz de dar voz aos injustiçados, de atender a tanta gente que clama por justiça social e pelos direitos ao desenvolvimento que os governantes têm negado. Por isso, para a CDU todas essas votações, embora não correspondendo a possibilidade eletiva neste ato eleitoral, trazem-nos especiais incumbências e responsabilidades para o prosseguimento do nosso dever de continuar a construção de uma alternativa política", conclui.