Debate JM: Calado aponta pouca qualidade de vida dos funchalenses mas Gouveia diz que não é verdade

Miguel Silva Gouveia, cabeça-de-lista da coligação 'Confiança' à Câmara Municipal do Funchal nas eleições de 26 de setembro, acaba de referir que as críticas da oposição são naturais mas não aceita que a Autarquia não tenha feito investimento.

As palavras do atual presidente da Câmara do Funchal e candidato foram proferidas no início do 11º debate autárquico que está a ser promovido pelo JM e pela rádio 88.8, nas instalações do Jornal. Miguel Silva Gouveia fala nos diversos investimentos e refere também a redução de impostos. O candidato considera que as receitas são crescentes na área do IMT e o IMI baixou de 0,35 para 0,3. A reação surge quando questionado sobre se a Autarquia tem agora mais receitas e menos investimento público, como acusa a opsição.

Neste que é o último dos onze debates que foram realizados com candidatos de todos os concelhos, Pedro Calado, que lidera a coligação 'Funchal Sempre à Frente', diz que, nos últimos dez anos, o Funchal perdeu 600 pessoas por ano. Teve menos 20 alojamentos. E quanto ao número de edifícios, foram quase mil edifícios em 10 anos. Assim, o que estamos a assistir "é que tivemos um crescimento astronómico na Câmara do Funchal no que diz respeito às receitas", defendeu, considerando que há menos 60 milhões de euros de investimento. A Autarquia apresenta, no entender de Pedro Calado, várias falhas, com, por exemplo, quatro mil pessoas em espera em termos de habitação social. Aquilo que o candidato da coligação 'Funchal Sempre à Frente' quer dizer é que se há mais receita globais, "não se justifica a pouca qualidade de vida que os funchalenses têm". Miguel Silva Gouveia diz não aceitar que o Funchal não tenha qualidade de vida e garante mesmo que a capital madeirense é uma das melhores para se viver no país.