Debate JM: Candidatos reconhecem que políticas de natalidade têm de ir mais além

Paula Abreu

As políticas de natalidade foram um dos temas abordados no Debate JM, uma vez que não têm conseguido inverter a quebra populacional.

Questionados sobre que medidas serão tomadas para tentar reverter a situação, os candidatos demonstraram estar de acordo nessa matéria, mas divergem na forma de agir. O candidato apoiado pelo CDS e atual presidente da autarquia, Dinarte Fernandes, lembrou as políticas implementadas pelo CDS, como apoio à natalidade, benefícios fiscais e apoio aos alunos de todos os ciclos.

No ponto de vista de João Paulo Luís, do PSD, “o problema da natalidade não se resolve apenas com a atribuição de subsídios”. Tem de haver aposta na criação de oportunidades e de habitação no concelho. “Temos todos os argumentos para atrair mais pessoas”, também com as novas acessibilidades viárias.

“Mais do que política de natalidade ou alívio fiscal, sim, tem de ser o município a tomar as rédeas da situação dando condições de atração para a população”, afirmou ainda o candidato do PSD.

Dinarte Fernandes admite que um dos problemas do concelho é a falta de habitação, criticando, no entanto, as declarações anteriormente proferidas pelo opositor relativamente à falta de resposta pelo município, ainda mais quando, na qualidade de bancário, sabe as dificuldades no acesso ao crédito à habitação. O candidato do CDS lembra que o problema se deve também à falta de políticas de urbanismo, que existe há cerca e 40 anos de governação do PSD na Região.