Debate JM: Apoios terão que perdurar após a pandemia

Por David Spranger

Nuno Batista e Miguel Brito estão de acordo que o Porto Santo deverá te ruma majoração de apoios e o candidato do PSD/CDS diz mesmo que o modelo em prática no decorrer da pandemia, deverá se estender no futuro.

se o Porto Santo deveria ser alvo de uma discriminação positiva, foi a questão que se seguiu, sendo certo que é uma situação levantada há muitos anos.

Nuno Batista (PSD/CDS) concorda e diz que já falou com o secretário regional da Economia. A intenção primeira é que mesmo terminado o período de pandemia, os apoios que estão no terreno se mantenham.

“Essas medidas existiram e tiveram um grande impacto durante a pandemia”, referiu, lembrando eu “Aas ajudas foram majoradas e foram importantes”.
Para Nuno batista, “lamentável é que durante todo o tempo de pandemia, eu tratei muitas linhas covid, na minha atividade de bancário, e nas linhas nacionais vinha sempre escrito que a RAM esteva excluído”.

O candidato lembra que “o Porto Santo sempre se habituou a viver em poucos meses”, advogando, então, que “conforme forem terminadas medida as covid, no Porto Santo elas se mantenham, para a economia se manter estável”.

Miguel Brito (PS) concorda. “Claro que sim, que as medidas de combate à pandemia são essenciais”.

Todavia, diz que “no terreno nem sempre a mensagem que os empresários nos dão reflete aquilo que dizem o Governo regional e a Câmara Municipal”. Diz que “existem empresários que não receberam e outros por excesso de burocracia nem conseguiram concorrer”.

Brito lembrou que no seu programa está a criação da “rede integrada de apoio social, para que de forma mais justa e transparente se possa acompanhar”, os casos mais complicados.