Debate JM: Apostar na formação para garantir mão de obra

Paula Abreu

O problema da falta de mão de obra na ilha dourada não passou ao lado do debate JM, atendendo a que afeta setores determinantes para o turismo da ilha, como hotelaria e restauração.

Miguel Brito foi o primeiro a dissertar sobre o tema, admitindo que a queixa é compatível com a sazonalidade. “É impossível a hotelaria manter um quadro qualificado quando o turismo funciona praticamente por três meses”, comentou o socialista e, nesse sentido, defende como solução, uma maior formação dos jovens nesta área”.

A autarquia “pode e deve criar” programas de formação para os jovens e também na requalificação dos quadros da autarquia ligados ao turismo” e, nesse sentido, Miguel Brito sublinhou que “o nosso objetivo é estarmos em constante formação com todo o comércio do porto Santo.

Já Nuno Batista entende que “nós precisamos é estender esse período para outras áreas, dando mais estabilidade profissional às empresas para manterem as suas equipas durante todo o ano em vez de um turismo boom apenas no verão”.

O candidato apoiado pelo PSD/CDS defende que “não conseguimos acabar de vez com a sazonalidade, é preciso esbatê-la e viver com ela, aproveitando as oportunidades que ela nos dá”.