Debate JM: Requalificação urbana é prioridade comum, mas com visões diferentes

Paula Abreu

Requalificação urbana é prioridade a ambas as candidaturas à autarquia no Porto Santo.

No debate JM, o candidato apoiado pelo PS assumiu essa como uma das principais bandeiras da sua candidatura. No entender de Miguel Brito, “há descoordenação em vários setores. É fundamental apostar numa requalificação urbana para melhorar a cara do município, que tem de estar limpa”, afirmando, a título de exemplo, que “não podemos encontrar uma cidade com veículos abandonados por toda a ilha. Os acessos à praia têm de ser melhorados, atribuir mais acessos a pessoas com menos mobilidade”.

O seu projeto assume ainda a reabilitação urbana “que capte o investimento de fora, com benefícios fiscais próprios e para quem reside possa ter orgulho”.

Um ponto divergente relativamente à visão de Nuno Batista, do PSD/CDS. A seu ver, a prioridade numa revisão do PDM é criar zonas para a habitação para os residentes a custos controlados, de modo a que estes não sejam prejudicados pelo aumento de preços causados pelo turismo ou investimentos exteriores. “Temos de diferenciar zonas para construir para os locais habitação a custos controlados, porque o aumento do turismo poderá levar a preços que os locais não possam suportar”. Assim, concluiu Nuno Baptista, “a requalificação urbana tem de passar primeiro a dar oportunidade a que todos os portossantenses tenham habitação com condições dignas”