Debate JM: Há obra física ainda por fazer mas o essencial será a obra humana

Por David Spranger

Nuno Batista diz que há ainda muita obra física por fazer, enquanto Miguel Brito considera que houve obras que não servem a população e que o foco deverá estar na ‘obra humana’.

Em julho, aquando das Jornadas JM, o atual presidente da autarquia considerou que em termos de obra física, está praticamente tudo feito no Porto Santo.

Os candidatos de PSD/CDS e PS, que vão debatendo esta manhã, na Redação do JM, a realidade e o que perspetivam para o futuro da ‘ilha dourada’, foram confrontados com esta questão.

Nuno Batista, de 44 anos, diz que “não concordo a 100%”, Verdade que “há muita obra feita, não é o mesmo Porto Santo de há 30 anos”, mas, por exemplo, o parque urbano ‘pulmão verde da’ e a nova unidade de saúde, são essenciais para o desenvolvimento”.

“Mas sim, o principal desafio é melhorar a qualidade de vida”, embora frise que “reconheço que há obra, feita, mas há muito por fazer”.

Já Miguel Brito, de 36 anos, considera que “a grande obra que falta por fazer é uma obra humana”. No seu entendimento, “ao longo do tempo houve uma série de infraestruturas que hoje, maioritariamente não servem a população”.

No futuro, e já para os próximos quatro anos, “a competência será estar sempre integrado na coordenação deste tipo de obras”. E insistiu que “a grande obra será mesmo inserir todos nesta estratégia integrada de desenvolvimento”.