Debate JM: Célia diz que Zona dos Anjos ainda (des)espera por um relatório do LREC

Por David Spranger

A Zona dos Anjos, muito procurada, está em estado degradado. Célia Pessegueiro, enquanto esteve na oposição, pedia insistentemente intervenção da autarquia. Agora, o que foi feito esteve na análise deste debate, na redação do JM, acerca das autárquicas do próximo dia 26.

Célia Pessegueiro exalta que “a Câmara não tem condições nem capacidade financeira para intervir ao nível da escarpa”, registando que “aquilo precisa de intervenção séria, e de uma solução que resolva a segurança”.

A autarca assegura que “aquilo que a autarquia disse desde sempre, é que é necessário chamar a atenção para o Governo Regional que, tal como a Associação de Promoção da Madeira usa aquela imagem esquecendo o que terá de ser feito”.

Célia Pessegueiro garante que “aquilo que vai sendo feito, é pela Câmara, que já gastou já cerca de 150 mil euros em contenções”. Lembra que “está permanentemente a cair pedra, pois é uma zona em que a rocha não é firme e tem também muitas nascentes”.

Em suma, “a Câmara não tem capacidade de intervir, é preciso fazer estudo sobre o tipo de rocha a que estamos a trabalhar. Pedi a intervenção do LREC e até hoje nada”.

E frisou que “é melhor não mexer na costa da Ponta do Sol do que fazerem a asneira do Lugar de Baixo”.

Gualberto Fernandes, por seu turno, diz que s enão houve intervenção governamental, a culpa é da autarquia.

“Em 2017, então como candidata, Célia Pessegueiro disse que a orçamento municipal teria de reservar dinheiro para esta questão”. No seu entender, “a Câmara teria de elaborar o estudo e fazia o contrato programa para a obra. Sem projeto naturalmente que não pode fazer contrato programa”.