Debate JM: Amianto nas Ginjas surpreendeu candidatos, que fizeram troca de acusações

Paula Abreu

A descoberta de amianto nas Ginjs surpreendeu os dois candidatos.

José António Garcês, atual presidente da autarquia, admitiu ter sido apanhado de surpresa, afirmando que não se pronunciou publicamente sobre o caso por estar nas mãos da Justiça. Isto depois de Helena Freitas ter-se manifestado “estupefacta” por José António Garcês, enquanto autarca, “não abriu a boca sobre essa questão. Temos alguns crimes que foram cometidos e a Câmara ficou calada. O PS teve a iniciativa teve de falar sobre isso porque se preocupa com as pessoas. Assim é que o processo está em tribunal”, afirmou. Em contrarresposta, o candidato do PSD disse que “a Câmara não se pronunciou porque não tinha de se pronunciar. A justiça está lá, foi feita uma investigação e o amianto está descoberto. A minha preocupação é que o amianto continua lá”, rematando que “não vou vir para a comunicação social fazer aproveitamento político como o PS fez, ao ir rapidamente para o local”. Não competia à autarquia fazer a fiscalização da obra, esclareceu ainda.

Helena Freitas lembrou que “estamos num concelho livre, estamos preocupados com a população, não fizemos aproveitamento político”. Garcês acrescentou: “a Câmara foi surpreendida com a situação. Não tínhamos de fiscalizar porque a obra não era da Câmara. Quando me perguntaram respondi que a minha preocupação com a saúde pública é a justiça ser célere para depois ser retirado o amianto que está lá tapado”.