Debate JM: Olga Fernandes defende revitalização da baixa da Ribeira Brava e Nascimento lembra que população tem sido ouvida

Paula Abreu

Ricardo Nascimento, candidato apoiado pelo Movimento Ribeira Brava e pelo PSD, e Olga Fernandes, candidata à Câmara Municipal pelo PS, começaram há momentos o frente a frente promovido pelo JM e pela Rádio JM, naquele que é o terceiro debate sobre as Eleições Autárquicas do próximo dia 26 de setembro, desta feita conduzido por Miguel Silva e Miguel Guarda.

Depois de uma breve apresentação dos dois candidatos, Ricardo Nascimento, que celebra amanhã o seu 47º aniversário, natural de São João e professor de profissão, e Olga Fernandes, de 54 anos, natural do Campanário e também docente, foram instados sobre se a via rápida tirou alguma identidade à Ribeira Brava, uma vez que os turistas seguem para outros concelhos.

Olga Fernandes respondeu que a vila perdeu muito do seu comércio, por causa da obra. “Foi um projeto que foi feito sem ouvir as pessoas”, não foi exposto à população, que não teve uma palavra a dar, causando “erros crassos”. A seu ver, “perdeu-se a vitalidade da Ribeira Brava”, defendendo uma revitalização da baixa da Ribeira Brava, alertando que não pertence à autarquia, mas sim à Sociedade de Desenvolvimento. Por isso, defende que a área seja devolvida à Câmara para que esta proceda à necessária dinamização do local.

Já Ricardo Nascimento, entende que a via rápida foi uma obra fundamental para a Região. Contudo, apesar de reconhecer que melhorou a mobilidade, e há o reverso da medalha: “o madeirense vai onde quer, mas compete a cada zona e centro urbano fazer algo para atrair as pessoas para irem, por exemplo à Ribeira Brava”. Por isso, é preciso continuar na melhoria do serviço prestado no concelho.

Mostrando-se satisfeito pelas palavras de Olga Fernandes, Ricardo Nascimento reconheceu que a câmara foi ouvida. Disse ainda que a ideia da sua autarquia para a baixa tem sido ouvir as pessoas sobre o que pretendem para o projeto.

Numa nota comum aos dois candidatos, uma crítica pelo debate do JM/RJM ser apenas entre os dois candidatos, e não com todas as candidaturas.