Debate JM: Candidatos da oposição querem mais dinheiro para as Juntas

Gabriel Neto, pela experiência como presidente de Junta [Fajã da Ovelha], aponta as dificuldades que os órgãos de poder local estão a sentir no trabalho no terreno por falta de verbas. Se for presidente da Câmara, vai aumentar a distribuição de verbas pelas juntas de freguesia do concelho.

Carlos Teles, que é presidente da Câmara da Calheta e também candidato pelo PSD, lembra que quem tem responsabilidade de financiar as Câmaras e as Juntas de Freguesia é o Estado. "Se for para igualarmos aquilo que o Estado dá, não é viável. Não nos podemos substituir ao Estado. O Estado tem de assumir as suas responsabilidades. As transferências de responsabilidades feitas para as Autarquias têm de ser acompanhadas por dinheiro", acaba de defender Carlos Teles no debate do Jornal. Neste que é o primeiro dos onze debates que vão decorrer nas instalações do JM, Carlos Teles acrescenta que o presidente da Câmara e os vereadores são aqueles que mais sabem o que é preciso para cada Município e "não aqueles que estão longe, na República".

Questionado sobre se admite que vai aumentar o valor para as Juntas de Freguesia do concelho, Carlos Teles admite que se receber mais do Estado, vai aumentar o valor a distribuir pelos órgãos de poder local. Sofia Canha, candidata do PS, pegou na questão da Educação, que está regionalizada, disse que o Município não se pode substituir ao Estado mas também não se pode substituir ao Governo. E recordou que a Autarquia tem gasto do seu orçamento em manuais escolares. "Há aqui questões que, concordando com o senhor presidente, estou a discordar. Se o Governo regional não faz o que deve fazer, a Câmara e outras estão a se substituir ao Governo", sublinhou a candidata do PS.