Jornadas Madeira 2021: "Se em 8 anos fizeram 66 fogos de habitação como é que nos próximos 4 vão fazer 300?"

Fábio Bastos, deputado municipal do PSD, dirigiu-se a Miguel Silva Gouveia abordando afirmações presentes na entrevista hoje divulgada no JM.

"As nossas estradas municipais, para quem anda de bicicleta como eu, estão muito degradadas”, afirmou, defendendo que o investimento na rede viária “está muito aquém do previsto”. Na resposta, Miguel Gouveia afirmou que o deputado “devia ter começado a andar de bicicleta mais cedo”, nomeadamente em 2013, quando as estradas estavam num estado de absoluta degradação.

Fábio Bastos referiu ainda que há população sem água em várias zonas da cidade, nomeadamente na zona do Galeão, um investimento abordado pelo edil, mas que em termos práticos “não foi feito”.

“O senhor presidente pediu ainda que haja confiança na sua equipa, mas resta saber em qual delas”, ironizou o social-democrata, questionando a “revolução” de Miguel Silva Gouveia, que “abandonou” a atual equipa que irá substituir quase na totalidade se for reeleito. Face a isto, Gouveia enumerou vários membros da sua equipa presentes na plateia, que irão transitar para um eventual futuro mandato. “Estamos todos aqui a dar a cara pela cidade que pretendemos gerir nos próximos quatro anos”, apontou.

Por fim, em termos de habitação, o deputado do PSD questionou como é que Miguel Silva Gouveia irá construir 300 fogos de habitação social nos próximos quatro anos "se em oito fez 66".

Quanto e esta ultima questão, Miguel Silva Gouveia explicou que nos próximos anos vão fazer mais fogos de habitação porque, neste aspeto, em oito anos a CMF não recebeu “nenhuma ajuda do Governo Regional”.

Ainda em resposta a Fábio Bastos, Ruben Abreu referiu que a falta de água em São Roque é muito complexa por não ser contínua. Não obstante, há equipas da Câmara do Funchal no local “todas as semanas” a intervir numa questão que, de acordo com o vereador que tem sob sua tutela o pelouro das Águas e Saneamento Básico, tem o problema de “ligações clandestinas” que passam por terrenos privados.