Três deputados para o PAN são o “reconhecimento do trabalho árduo de quatro anos”

Sofia Lacerda

“Muito feliz”, foi como disse estar ao JM a cabeça de lista do círculo da Madeira às eleições legislativas nacionais pelo PAN, Ana Mendonça, por saber que conseguiram eleger três deputados.

A docente e investigadora constatou que este é “o reconhecimento do trabalho árduo de quatro anos”, de um partido que tem uma forma “diferente de fazer política”.

“Aqui na Região, de facto, acabámos por não conseguir eleger nenhum deputado, pela extrema bipolarização entre PS e PSD. Houve eleitorado que ‘fugiu’ para votar no PS, para que o PSD não ganhasse, com a ideia do voto útil, que acabou por não o ser”, considerou.

Ana Mendonça realçou ainda que “houve cerca de 5.800 jovens universitários que não puderam votar antecipadamente, por uma questão de prazos, e nós sabemos que o eleitorado jovem é uma fatia considerável do eleitorado do PAN”.

“Não significa que todos estes jovens fossem votar PAN, mas podemos ter perdido aí bastantes votos”, indicou.

“Não conseguimos eleger um deputado na Madeira, mas não perdemos o ânimo, continuamos a apostar nas nossas causas, nos nossos princípios, nos nossos valores”, frisou.

Duas questões que a candidata também apontou, pela negativa, prendem-se com a diminuição da diversidade parlamentar e o elevado índice de abstenção registado.