Presidente da Comissão Europeia anuncia mais 6,15 mil milhões de euros para combate à pandemia

Lusa

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou hoje que a campanha para financiar tratamentos, testes e vacina para a covid-19 globalmente angariou mais 6,15 mil milhões de euros.

Numa mensagem na rede social Twitter, Ursula Von der Leyen destacou o total alcançado, “6,15 mil milhões! Muito obrigada a todos os que contribuíram!”, durante uma conferência de doadores ‘online’ que termina ao fim da tarde com um concerto virtual com artistas como Shakira, Coldplay, Miley Cyrus, Justin Bieber ou Dwayne ‘the Rock’ Johnson e a Filarmónica de Los Angeles.

“Esta incrível maratona de promessas de contribuições é um momento tangível e tocante de unidade entre cidadãos, governos, filantropos, organizações de saúde e dirigentes empresariais”, escreveu,

Estes 6,15 mil milhões - que se juntam a 9,8 mil milhões de euros angariados em maio, totalizando 15,9 mil milhões -incluem um pacote de 4,9 mil milhões prometidos pelo Banco Europeu de Investimento (BEI), em parceria com a Comissão Europeia, e 485 milhões prometidos pelos Estados-membros.

Entre os Estados-membros da UE, os maiores contributos são da Alemanha e França.

Portugal contribuiu com 10 milhões de euros.

As doações provêm ainda do Japão, Canadá, Arábia Saudita, austrália, China, Israel e Coreia do Sul, entre outros.

O dinheiro angariado destina-se a ajudar os países mais vulneráveis, investindo na investigação de tratamentos, testes e vacina para a covid-19 que possam estar disponíveis para todo o mundo.

A conferência é coorganizada pela Comissão Europeia e pela organização Global Citizen e integra-se na campanha “The Global Goal: United for our Future” (O objetivo global: unidos pelo nosso futuro).

“Só conseguiremos pôr fim a esta pandemia quando ela tiver acabado em todo o lado. Para isso, temos que investir na produção de vacinas a uma velocidade e escala sem precedentes. E temos de tornar uma vacina acessível”, afirmou Ursula von der Leyen num comunicado.

A conferência, que começou às 15:00 locais (14:00 em Lisboa), contou com mensagens em vídeo de vários dirigentes, entre os quais o secretário-geral da ONU, António Guterres, o Presidente francês, Emmanuel Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.