Em 2019 o Índice de custo de trabalho cresceu 2,8% face ao ano precedente na Madeira

Dados da DREM (Direção Regional de Estatística da Madeira) dão conta de que no 4.º trimestre de 2019, o ICT (ajustado de dias úteis) na Região Autónoma da Madeira (RAM) registou um acréscimo de 1,9% em relação ao 4.º trimestre de 2018.

A DREM referiu numa nota que estas variação resultaram do efeito conjugado das variações ocorridas nas suas duas principais componentes que são: os custos salariais (por hora efetivamente trabalhada) que aumentaram 1,6% em relação ao trimestre homólogo; e os outros custos (não salariais, também por hora efetivamente trabalhada) que registaram um acréscimo homólogo de 3,2%.

Os outros custos incluem indemnizações por despedimento, encargos legais a cargo da entidade patronal (contribuição patronal para a Segurança Social; seguro de acidentes de trabalho e doenças profissionais), encargos convencionais, contratuais e facultativos (prestação complementar de reforma/invalidez; seguro de saúde; seguro de vida/acidentes pessoais; prestações sociais pagas diretamente ao/à trabalhador/a em caso de ausência por doença).

“De referir ainda que o custo médio por trabalhador aumentou neste trimestre, bem como o número de horas efetivamente trabalhadas por trabalhador”, lê-se na referida nota.

Em termos anuais, o ICT, na Região, em 2019, conforme informou a DREM, registou um aumento de 2,8% face ao ano transato, devido ao incremento anual observado nos custos salariais (2,5%) e nos outros custos (3,6%).