Miguel de Sousa: "Transporte de carga podia eliminar o prejuízo" do ferry

Após a publicação, hoje no JM, de excertos do debate na TSF que incluiu o tema do ferry, o empresário Miguel de Sousa quis complementar as opiniões que exprimiu com a carta que abaixo reproduzimos.

Caso o Leitor prefira esclarecer alguma dúvida ou ouvir o que foi dito, por quem e em que tom, pode aceder ao YouTube e pesquisar em 'Debate da Semana 22 Nov'. O tema do ferry pode ser ouvido entre os minutos 40 e 51 da gravação.

Leia a carta de Miguel de Sousa na íntegra:

"O JM, com intenções que não quero descortinar neste momento, reproduz de forma incompleta, deturpada e incorrecta, partes de debate na TSF em que participei. No decurso do mesmo veio o tema do ferry e os maus resultados financeiros que os mesmos terão produzido durante o passado Verão na linha Portimão/ Funchal/ Canárias. Ao contrário do escrito no JM, adjectivei de "escândalo", não a idoneidade dos números, mas o facto dos mesmos estarem condicionados com o uso de um navio para carga e passageiros que, por obrigação do caderno de encargos, apenas podia levar passageiros. Em meu entender o transporte de carga podia eliminar o prejuízo que, o transporte apenas de passageiros, provoca. E fiz um exercício prático, da minha inteira responsabilidade. Afirmei que noutras ilhas europeias se há serviço de ferry é por serem rentáveis ou terem subsídios suficientes.

Disse que do mesmo modo que a ENM tinha um ferry para a linha Funchal/Porto Santo, esta empresa madeirense devia ter um ferry para o Continente. E acrescentei que se não há concorrência nem outros interessados na linha é porque, como se sabe, o negócio dá prejuízo.

Em momento algum critiquei a ENM, ou o grupo empresarial que a lidera, mas sim a concepção da operação. Como está concebida não é viável do ponto de vista financeiro. Por essa mesma razão ninguém a quer sustentar.

As conclusões do JM são abusivas e pretendem atingir o Grupo Sousa deturpando declarações minhas que foram feitas em sentido diverso. A foto da capa é ilustrativa das intenções do JM e ultrajam qualquer conclusão que, de forma isenta, se pretenda retirar da minha intervenção no debate."