Madeira regista decréscimo nas dormidas e proveitos totais no alojamento turístico em janeiro

As primeiras estimativas relativas ao mês de janeiro de 2019, divulgadas pela Direção Regional de Estatística, apontam para um decréscimo nas dormidas e nos proveitos totais no sector do alojamento turístico da RAM, com variações homólogas de -1,0% nas dormidas e de -1,7% nos proveitos totais. Por sua vez, os proveitos de aposento cresceram 1,0%.

Excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas teriam diminuído 2,5% em termos homólogos. No país, ao invés, as dormidas cresceram 4,7%, enquanto os proveitos totais e de aposento apresentaram, pela mesma ordem, variações de +8,7% e +8,2%.

O total de dormidas do alojamento turístico na RAM no mês em referência (considerando a totalidade do alojamento local) rondou os 530,3 milhares enquanto os proveitos totais e de aposento atingiram os 25,1 e 16,8 milhões de euros, respetivamente.

A hotelaria concentrou 83,6% das dormidas, recuando 2,9% em termos homólogos, enquanto o alojamento local registou um incremento de 10,9% nas dormidas, congregando 14,9% do total. Por sua vez, o turismo no espaço rural e de habitação, responsável por 1,5% do total, teve +3,0% de dormidas face ao mesmo mês de 2018.

Nos mercados tradicionais do alojamento turístico, assinala-se um aumento no mercado britânico (+1,5%), enquanto os mercados francês e alemão apresentaram variações de -23,8% e de -2,6% face a janeiro de 2018, respetivamente. O mercado nacional atenuou a quebra de não residentes (-3,0%), crescendo 19,7%.

A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico no mês em referência fixou-se em 47,3%, 3,8 pontos percentuais abaixo do observado no mês homólogo, mas mantendo-se como a mais elevada entre as regiões NUTS II portuguesas. Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 53,4%.

O rendimento médio por quarto (RevPAR) recuou 3,8% para 34,16€, enquanto o ADR (preço médio diário por quarto utilizado) ascendeu aos 64,02€, crescendo 3,3% em termos homólogos.